24 de set de 2010

Eu teamo...

Lá estava ele, parado, sentado no banco da única praça da cidade, tão lindo, tão meu. Eu sabia que ao me aproximar, uma onda de dor me atacaria pelo simples fato de eu não poder chegar em você. De não poder sorrir pra você. Pensei em atravessar a rua para não passar na sua frente. Mas ainda assim fui, aproximei-me e como dito, eu não poderia nem ao menos sorrir pra você, para não mostrar nos meus olhos a angustia de não tê-lo ao meu lado. Eu me aproximei:


- Oi, ele disse.

- Oi.

- Senta aqui, preciso falar com você.

E eu, sem dizer uma palavra me sentei.

- O que aconteceu? Porque tá sendo assim comigo?

E, uma gota de lágrima desceu dos meus olhos. Eu fiquei tonta, era como se eu tivesse ouvido a lágrima cair no chão. Virei de costas pra ele, para secar minhas lágrimas e respondi:

- É que eu… te amo tanto, que não teria forças suficientes pra suportar a dor de olhar pra ti, e ver que é só um sonho.

E no momento em que me virei para ver a sua resposta. Percebi que já era tarde. Ele já tinha sentido, já tinha visto, com uma lágrima ele percebeu o que eu sentia. E me deixou ali, sentindo a leve brisa do vento nos meus cabelos. Eu quis morrer, não tinha mais sentido viver em um mundo onde o seu amor, não fosse a força pra me levantar e seguir em frente.

2 comentários:

Erasmo Rebirth disse...

não a dor nem decepção que o tempo não cure.
linda história.

Hêva Cavallini disse...

Linda história! *-* estou te seguindo!
me segue tbm! www.cavallinii.blogspot.com
beeijos ;**

Postar um comentário